quarta-feira, 5 de junho de 2013

Critica: Alem da Escuridao-Star Trek






Se você não sabe do que se trata, Star Trek foi uma série de tv americana, que hoje tem um status cult. Teve várias séries derivadas, uma série de filmes (exatas 10 produções), desenhos, etc. O problema, foi que de uns tempos para cá, Star Trek ficou sumida do mapa. Os Trekkers (fãs radicais de Star Trek) ainda existiam, ainda haviam conferências da série, os dvds vendiam muito. A questão é que os jovens de hoje, nã ligavam muito para as aventuras da Enterprise, e sua tripulação.

Assim, em 2009, apareceu nos cinemas Star Trek. Um reboot que se passando numa realidade alternativa (assista o filme, não irei explicar num texto algo que os envolvidos com o filme desenvolveram em duas horas, que você não perderá, vale dizer), dava a chance dos roteiristas poderem moldar um pouco o universo de Star Trek, do jeito que quisessem. A surpresa, foi que os roteiristas eram Trekkers. Assim, mesmo as mudanças eram fieis ao que foi estabelecido na série de tv.

Um ótimo filme surgiu. Boas atuações, uma boa direção, um roteiro bacana. Ainda assim, não tinha-se tanto carisma pelos personagens. Não que fossem personagens novos, mas ainda assim não estávamos acostumados com os respectivos atores. Assim, não havia tanto carisma por eles.

Isso não acontece em Além da Escuridão. Excelente filme que além de ter todas as qualidades do 1o filme, faz com que sintamos carisma pelos personagens. E que ainda lembra muito o filme mais querido pelos Trekkers:A Ira Khan. Isso tudo faz com que Além da Escuridão, seja um dos melhores filmes da franquia cinematográfica Star Trek,



É fácil, e até óbvio devido ao título, perceber que Além da Escuridão é um filme mais sombrio que o capítulo anterior da franquia. O nível de urgência e de tensão presente no filme, é muito maior do que em qualquer outro filme Star Trek. Isso porque o plot parte de uma caçada, a um antigo capitão da frota chamado John Harrison (Benedict Cumberbatch), que está atacando os oficiais da Federação.

O título do filme, pode ser referir a diversas coisas. Ao fato de Harrison (Cumberbatch), ser um inimigo muito mais perigoso do que a tripulação da Enterprise jamais poderia imaginar, pelo fato dessa vez o filme se passar numa região do espaço na qual não há lei (o que torna possível a participação de uma das raças favoritas pelos Trekkers), ou então devido ao medo. Além da Escuridão é uma jornada no medo de um personagem:Spock.

O Vulcano não deveria ter emoções. E de fato, parece não emitir nada. O que gera problemas entre sua namorada Uhura (Zoe Zaldana), e seu melhor amigo Kirk (Chris Pine). Que reclamam, pois o Vulcano não parece valorizar o amor, e a amizade que ambos sentem por ele. O que eles não se lembram, é que Spock é apenas parte Vulcano. Ele é filho de mãe humana, por isso sente emoções sim.

A questão, é que Spock já experimentou o medo. No capítulo anterior, Spock perdeu seu planeta. E sentiu uma mistura de ódio, medo, frustração e tristeza. E optou por não senti-los novamente, não deixa-las a mostra. Mas ele liga sim para seus queridos amigos.
Além da Escuridão é um filme que entra mais a fundo não só na cabeça do Vulcano, mas do seu coração. Brilhantemente representado, na cena que Spock entra em um vulcão (ele é um Vulcano, saca?). Uma metáfora perfeito para o seu coração. Um lugar que antes as escuras, surge pela 1a vez de forma viva. E bastante turbulenta e perigosa.




O filme não compromete na sua parte técnica. Mantendo praticamente a mesma equipe do filme anterior, o direto J.J Abramms consegue criar uma produção belíssima (os flares surgem de forma menos exagerada neste filme, surgindo em momentos chaves, como quando um determinado personagem morre, e o brilho de seus olhos desaparecem), com um elenco muito competente (o trio, Spock-Kirk-Mc Coy, é sensacional, e consegue ficar idêntico ao trio da série de tv), efeitos especiais muito bem feitos (apesar de tudo ser feito por Cgi, eu sempre prefiro efeitos práticos).

Mas a novidade que mais chama atenção, no novo filme, sem dúvida nenhuma é John Harrison. Interpretado por Benedict Cumberbatch (o Sherlock Holmes, da série da BBC "Sherlock"), o personagem pode entrar na lista dos melhores vilões do cinema do século 21. Um papel que não é facil, podendo ter se tornado um personagem brutamontes, sem fraquezas, nas mãos de um ator sem talento. Mas Benedict Cumberbatch criou um perfil fantástico para o personagem.

Repare por exemplo, na voz que o ator utilizou para o personagem. Um tom de voz grave, mostrando que é muito superior que qualquer outro humano, falando de forma pausada (para que os estúpidos humanos, consigam entender, e não tenham dúvidas no que ele falou). Só pela voz, o personagem já assusta. Como se tudo que estivesse acontecendo em cena, já fosse do conhecimento do vilão.

Ajuda também, o fato do personagem ser absurdamente selvagem, forte, rápido, resistente. Mas o bacana, é que mesmo se não fosse explorado esse lado físico do personagem, ainda assim John Harrison (este é o nome dele mesmo?) dá medo. Muito medo, quase como um novo Coringa, de Heath Ledger. Além de ter um passado interessante, no qual está ligado com seu povo. Nada ali, nenhuma das ações violentas que toma, não tem uma explicação.

(Se você não quer spoilers, pule o próximo parágrafo, e volte a ler depois de um anúncio de fim de spoilers)

O personagem ainda consegue trazer de volta o maior vilão de Star Trek:Khan. É muito empolgante perceber, que Além da Escuridão é uma grande homenagem ao filme Star Trek II:A Ira de Khan. Que trazia Ricardo Montalban, como o personagem título. Que assim como John Harrison (é só um nome, ele fato é o Khan, anunciando em determinada cena em alto bom som sua verdadeira identidade) é genéticamente modificado, é super forte, e é muito inteligente. Bacana também perceber, que o final de Além da Escuridão, inverte o final de A Ira de Khan. Ao invés de Spock se sacrificar, Kirk que salva a tripulação com sua vida. Algo bacana, realmente inesperado.

(Fim de Spoilers)



Além da Escuridão é um ótimo filme. Consegue mostrar que Star Trek, ainda rende muitas ótimas histórias, que pode se criar um vilão empolgante com uma boa história (ouviu Homem de Ferro 3?), e que ainda há espaço para o cinema de Ficção Científica/Fantasia.

O filme só peca por apostar numa trama que é básica. As motivações dos personagens para a caça de Harrison, é muito clichê (remetendo um filme de Charles Bronson:Vingança por uma pessoa querida).
Mas nada que atrapalhe o filme. Uma grata surpresa.

Tomara que Star Trek não volte para o escuro, e fique bem longe da escuridão (eu estou tentando ficar longe de piadinhas ruins com os títulos, mas é muito difícil).

Nota: 9.0