quarta-feira, 1 de maio de 2013

Critica: Evil Dead-A Morte do Demonio (2013)




Muitos filmes de terror clássicos ganham remakes ruins. Posso citar diversos exemplos aonde o excelente filme original recebeu uma péssima refilmagem:O Massacre da Serra Elétrica, A Hora do Pesadelo, Halloween, A Profecia. Quando foi anunciado o remake de The Evil Dead-A Morte do Demônio, me vieram dois sentimentos:Um de felicidade, e um de medo.

O sentimento de felicidade veio porque The Evil Dead é um dos filmes mais assustadores de todos os tempos. Isso, sendo que a maquiagem e efeitos especiais do filme vistos hoje não funcionam direito. Vemos cabos, mangueiras pro sangue jorrar, pelos na câmera. Mesmo assim, o filme é absurdamente assustador. Imaginem a mesma história, com tecnologia e efeitos especiais melhores? Seria incrível.

Já o sentimento de medo veio por eu amar muito The Evil Dead. O medo que fãs como eu tinhamos de que um estreante estragasse a franquia fazendo um filme preguiçoso era muito grande. E muito possível! Basta lembrarmos os remakes que citei a pouco.

Após alguns trailers, imagens e entrevistas dadas pelos envolvidos (o diretor do filme original Sam Raimi, o protagonista do filme original e produtor do remake Bruce Campbell, e o diretor do remake Fede Alvarez) fiquei mais animado com o filme. Parecia sensacional, mas mesmo assim o medo continuava dentro de mim. Será que seria um remake ruim de um filme tão bom? Tudo bem, Sam Raimi não seria mais o diretor mas passou o bastão para um jovem promissor (o jovem diretor Fede Alvarez). Mas e se falhasse?

Após assistir ao filme posso responder:Sim, é um ótimo filme. Sim, é uma baita homenagem ao clássico filme de 1981. Sim, tem violência pra dar e vender. Sim, os fãs irão gostar. E ao mesmo tempo:É e não é um "remake". Já explico.


Vale a pena dizer que o filme segue uma narrativa similar a da produção de 1981:Um grupo de jovens está numa cabana, e após a leitura de um livro maldito são atormentados e mortos por demônios da floresta. Mas há uma atualização:Enquanto no filme original os jovens estão na cabana para se divertir, no "remake" os jovens estão levando uma mulher do grupo para a cabana pra uma intervenção. A jovem é viciada em drogas, e eles querem que ela se livre do vício se isolando da cidade. Assim, estão presentes:a jovem dependente química, o irmão da jovem, sua namorada gostosinha, uma enfermeira amiga do grupo, seu namorado.

Esta atualização cai como uma luva para a história. Pois, quando as coisas começam a ficar estranhas com a jovem dependente química, o grupo logo pensa: "É uma crise de abstinência, vai passar". Assim há uma justificativa pra que os jovens não sejam espertos, e não percebam que há algo de estranho e sobrenatural naquela cabana.

Para os fãs de Gore e de Terror, vale a pena dizer que o filme cumpre muito bem o que promete. Há muito sangue, muitos membros decepados, jeitos de se matar alguém com uma serra elétrica que fariam Leatherface (o psicopata de O Massacre da Serra Elétrica) derramar uma lágrima, de tão criativo e "lindo".




Além do filme seguir a linha de um bom terror. Temos uma excelente trilha sonora, um bom suspense, bons atores (a melhor é Jane Levy, que não tem o carisma de Bruce Campbell dos filmes originais, mas convence e mergulha de cabeça no papel, mesmo tendo que fazer muitas coisas nojentas) e bons sustos. Ao invés de súbitos aumentos de volume feitos para dar cagaço (como tem tantos filmes apelam hoje em dia, como o Chamado e Atividade Paranormal), o medo surge pela visão horrenda que aparece na tela. Seja porque a criatura é muito feia, ou devido a violência difícil de se olhar.

Aliás, fica um alerta para os sensíveis. Se você era um dos que passou mal ao ver a cena de 127 Horas, que o personagem de James Franco cortava o próprio braço com um canivete pequeno, fique longe de Evil Dead-A Morte do Demônio. O filme derrama muitos litros de sangue, não tem medo de mostrar os cortes e dilacerações. Além de ser sangue falso "home made", não o sangue de Cgi. O que deixa tudo mais brutal.

Quase terminamos o filme nos limpando porque é tanto sangue jorrando, em tão pouco tempo (o filme tem só 80 minutos), que faz com que Django Livre pareça um filme para crianças. Em determinado momento, literalmente começa a chover sangue.




Agora, o que os fãs do filme original e da trilogia Evil Dead querem mesmo saber. A Morte do Demônio é uma grande homenagem ao filme dirigido por Sam Raimi em 1981. Aliás, aos dois primeiros filmes da trilogia. O tom do filme de fato segue o do filme de 1981, a seriedade é muito maior do que no 2o e 3o capítulos da trilogia. Ainda há o humor negro (o que dizer do beijo de língua lésbico sangrento, que uma possuída dá na gostosinha loira, após ter cortado a própria língua?), mas este é para que o espectador tenha risos nervosos. Como no 1o filme. Um "remake" com mesmo tom, acho que isso é digno o suficiente para que os fãs gostem e aprovem a nova visão.

Além de várias referências a trilogia original. Temos a serra elétrica, a mão possuída, a mulher que fica no porão possuída gritando para os outros jovens, o livro dos mortos, o pingente, o herói/heroína sem a mão, o estupro pelas árvores. Além de algumas, que só os fãs de verdade irão encontrar (o carro de Sam Raimi que aparecia em todos os filmes do diretor por exemplo). Mas destaco uma das gravuras do livro dos mortos que é praticamente uma cópia do desenho de um dos posters do filme.

Outro grande mérito do filme é o fato de tudo ser "home made". Não há Cgi no filme, em nada! É tudo feito com efeitos especiais práticos, que funcionam de forma muito eficiente. O sangue, os vômitos, o movimento das árvores estupradoras, os olhos demôníacos, os ferimentos tudo é feito para que fique o mais brutal possível.



Agora, deixe-me explicar porque o filme não é propriamente um "remake". Tudo bem, tudo bem:É um "remake", repete muitas situações do 1o filme e de fato é uma nova visão da obra. Até aí tudo bem, mas se olharmos mais a fundo veremos que na cabana já havia sangue no chão em certos pontos, a escopeta estava em um determinado lugar curioso, etc. Todos os elementos em lugares que haviam sido deixados nos filmes anteriores. O que nos leva a concluir:Todos os eventos dos primeiros filmes aconteceu na cabana, e além de A Morte do Demônio ser um remake, é também uma continuação da trilogia Evil Dead.

O que me deixa dar o ponto final nisso, é a cena pós créditos. Que não irei descrever como é, mas que de fato dá a ligação entre o universo da trilogia e do remake.

Além de ligar o filme a trilogia original, o filme ainda tem algumas ligações com Arraste-Me Para o Inferno. Excelente filme de Sam Raimi, que também fazia referências a The Evil Dead. O remake referencia Arraste-Me, pois temos ciganos intervindo no começo do filme (poderia muito bem ser parentes da cigana maligna de Arraste-Me), temos numa das páginas do livro dos mortos uma gravura que lembra muito o Lâmia (o demônio que a cigana conjuga para atormentar a protagonista de Arraste-Me).



Mas, o filme não é perfeito. Há um drama entre a irmã e o irmão, envolvendo a mãe dos dois, que poderia muito bem ser reduzido. No The Evil Dead original por exemplo, existia a dúvida de Ash em matar sua namorada ou não. Mas logo era posta de lado (meio que zoada pelo diretor, uma espécie de "no desespero:Dane-se!") quando o terror voltava. Em A Morte do Demônio, o drama tenta se levar a sério em muitos momentos. E isso atrapalha um pouco o tom do filme. Claro, muitos irão apontar erros como "O personagem x recebe muitos ferimentos e não morre", "os caras são muito burros". Muitas dessas coisas eram presentes no filme original. Não é um erro. O que me incomodou foi o que citei acima, uma tentativa fútil de dar mais drama para o filme.

Mesmo assim não é o suficiente para atrapalhar A Morte do Demônio, um dos melhores filmes de terror dos anos 2000 (o último filme de terror que me lembro que me diverti tanto, foi A Hora do Espanto-também um remake- e Arraste-Me Para o Inferno, não coincidência também de Sam Raimi), e uma grande homenagem ao clássico filme original. Se de fato irão fazer uma continuação e explorar mais as ligações entre o mundo da trilogia original (e Ash, os buracos no tempo, etc) e o mundo do "remake" eu não sei. Mas se ficar só por este filme, já estou muito satisfeito. E creio que não sou o único fã falando:Ainda bem.

Nota: 9.0