sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Crítica:Os Descendentes






























Todo ano,mais especificamente no inicio do ano,surgem as indicações ao Oscar.Quase nunca,aparecem filmes que as pessoas já tenham visto anteriormente.Geralmente os filmes que nós já assistimos surgem as vezes como direção de arte,montagem,som.Mas,nas categorias principais muito raramente aparece um filme que nós já tenhamos assistido.E em geral,são filmes que só podem ser descritos como de Oscar mesmo.

Infelizmente,são filme que só servem mesmo pra ser assistidos na época do Oscar.E após a entrega dos prêmios,ninguém se lembra mais deles.Se eu não me engano,a última vez que uma cerimônia foi decente em premiar com o Oscar de melhor filme,uma produção que ainda é lembrada foi em 2007.Com o clássico Onde Os Fracos Não Tem Vez.De lá pra cá,somente produções que não tem mais relevancia nenhuma ganharam o premio.
Quem Quer Ser um Milionário,Guerra ao Terror,O Discurso do Rei(que até que ainda tem seu mérito).Os Descendentes não é tão diferente.É um filme que eu não preciso assistir de novo(e que fique claro,eu não quero),e esquecivel.

Não me levem a mal,não é um filme ruim.Mas ele só funciona mesmo pro Oscar.Podem escrever:O filme não será nunca mais mencionado como "a grade atuação de George Clooney",ou "um clássico que deve ser revisto inumeras vezes".A grande verdade é que não é um filme necessário.






















O filme tem um tom indie.Coisa que o Oscar adora.Mas em geral,só premiando o roteiro.Apesar de que,esse tom indie nem é tão grande assim.Pois se o filme todo for um tanto excentrico(como um bom Wes Anderson),o pessoal acha estranho demais.Desculpe se pareço estar bravo.Mas eu estou!

O pior no filme pra mim,é tentar ser uma mistura de drama e comédia.Tem determinados momentos bons,que o drama vai crescendo,e o filme poderia ser mostrar melhor que logo é interrompido por alguma piadinha.Ou vindo da menina gordinha chata,ou do namorado retardado da filha mais velha de George Clooney.Isso faz o filme desandar.Em momentos que o filme se mostra maduro(a cena em que George Clooney confronta o casal amigo,que estava escondendo que sua mulher o estava traindo é a melhor do filme),logo desanda(e perdoem o meu vocabulário brocha).

Até há algumas coisas interessantes,como a busca que George Clooney faz ao amante de sua esposa em coma.A busca lembra um pouco a busca que John Wayne faz em Rastros do Ódio,aonde o personagem procura o indio que matou a cunhada(por quem era apaixonado),e ao mesmo tempo busca pela sua sobrinha.Apesar de no filme não sabermos se ele irá mata-la(pois ela virou uma india),ou se irá redimi-la.Substitua aqui,a sobrinha de John Wayne pela esposa,e o perdão e temos o mesmo.























Isso não muda o fato de Os Descendentes ser um filme extremamente previsivel.Olhe pro cartaz no inicio deste post,imagine tudo de um fell good movie.Tudo isso acontece em Os Descendentes.
Que também não tem todo esse alto desempenho do elenco como os criticos estavam falando.George Clooney está bem,mas o resto do elenco(com exceção de Beau Bridges que lembra o papel que seu irmão fez em O Grande Lebowski) não consegue arrancar nada.
Apesar de haver algumas cenas bem feitas(a cena do choro da filha mais velha na piscina),admito.

No fim Os Descendentes não é um filme que vale a pena ser visto no cinema,mas é tudo que o Oscar gosta,bobinho,previsivel e feel good.Uma pena que eu não gosto disso.Pelo menos,não do jeito que foi apresentado.
Nota:6.5