sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Crítica:Cisne Negro






Desde o começo das divulgações de Cisne Negro, o diretor Darren Aronofsky fez questão de dizer,que Cisne Negro é um filme irmão de O Lutador, seu trabalho antecessor. Que abordava a vida de um lutador decadente, que em busca de uma chance de redenção percebe que sua vida só vale a pena se for enfim aceitando permanentemente a identidade que assumia a noite nos ringues.

Ao final de Cisne Negro,essa comparação não poderia ser mais óbvia.O que não diminui de forma alguma,as qualidades que cercam o filme.Na realidade,só as fazem crescer.

O filme possui o mérito de levar pessoas pra ver um filme mais alternativo.Quando  digo aqui alternativo,não quero dizer um filme preto e branco,mudo do Irã.Mas sim,alternativo pro espectador comum.Pois Cisne Negro é algo muito diferente do que atrai pessoas ao cinema nos tempos de hoje.É um filme com muitas metáforas, com toques de horror dos anos 70 (mais especificamente o horror de Roman Polanski). Mas que ao mesmo tempo não perde sua essência delicada, quase como que a de um sonho.

Fazer um filme desse jeito,e ainda conseguir faze-lo ter uma bilheteria boa é um desafio.Maior ainda, se os espectadores terminarem o filme felizes com o que viram.O que é o caso de Cisne Negro.




























É dificil encaixar Cisne Negro em um genero.Acho que o mais próximo seria um Thriller de horror psicológico.Quase nos moldes dos filmes de Polanski de antigamente(O Bebe de Rosemary por exemplo).Há quem diga que é uma fantasia moderna,com moldes de terror.Que é uma versão da história do Baile dos Cisnes.Mesmo assim,o filme não se encaixa no genero de terror.Há sequências de pesadelo?Muitas.Cenas violentas?Sim.Uma trilha sonora tensa?Sim.Mas mesmo assim,não é um filme de terror.

O filme tem a história básica de uma bailarina chamada Nina(Natalie Portman),que é escalada pra ter o principal papel do balé Baile dos Cisnes:O papel duplo de fazer o Cisne Branco(que é a inocência e a fragilidade),e o Cisne Negro(a sedução e a malicia).O problema é que o diretor da peça(Vincent Cassel)duvida que ela consiga fazer o Cisne Negro.Assim cogitando,no caso de falha chamar outra bailarina pra faze-lo(Mila Kunis).Assim,Nina vai se esforçando e se desconstruindo psicologicamente pra achar o Cisne Negro dentro dela.

É interessante perceber que Aronofsky não quer focar na história basicamente,o que o diretor de Pi filma são cenas que nos levam a pergunta,o que está acontecendo com Nina?Tentemos analisar o personagem:Uma jovem,que vive com a mãe controladora.Que desde pequena quis ser bailarina(influência da mãe talvez?).Que dentro do seu quarto vive no seu mundo perfeito(com vários ursinhos de pelúcia).Que é extremamente rigorosa consigo mesma na sua dedicação ao balé(ela treina horas e horas,chegando a extremos fisicos).Uma personagem que é destrutiva(com práticas como auto-mutilação).E que se esforça muito pra obter a perfeição.

Porém,de primeira não percebemos tudo isso.Pois o filme é contado na perspectiva de Nina.Tudo aquilo que aparece em tela é visto pelos olhos de Nina.Se há a suspeita de que o seu diretor irá substitui-la,nós presumimos isso pelo que Nina acha.Mas quem disse que isso é real?

Você deve achar que eu estou contando o fim do filme ou algo assim,mas não estou.Desde a 1a cena do filme,nós percebemos que há algo muito errado com Nina.E o final não nos entrega todas as respostas.Há uma resposta,mas a que o espectador entendeu.E nem por ser a que ele entendeu é porque é a certa.E também não está errada.Pois Cisne Negro não é um filme normal.
É um filme que nos oferece muitas interpretações.Por isso gosto tanto de ver que foi bem nas bilheterias brasileiras.
























Agora vou falar um pouco das partes técnicas de Cisne Negro.O que será um pouco entediante,pois o filme acerta em quase tudo.A câmera de Aronofsky é dinâmica,e consegue nos prender ainda mais nas apresentações de balé.Por não botar a camera na visão da platéia,e sim dos dançarinos.Nos passando a sensação que Nina sente quando ela dança.A sensação de realização que ela sente.E também dá pra perceber que o jeito de filmar de Aronofsky mudou desde O Lutador.Aonde preferia câmera na mão,tentando transmitir a simplicidade.Ainda há remanescentes disso em Cisne Negro.Mas bem poucos,e feitos com muito mais elegância. Quase o que Scorsese fez para captar o boxe em Touro Indomável.


A trilha sonora de Clint Mansell é igualmente brilhante.É formada somente por músicas de Tchaicovsky,e consegue deixar cenas tão agoniantes de se assistir ,do que qualquer filme de terror atual.E não falo de cenas com litros de sangue,visceras.Cenas simples,que começam com um problema básico.Uma pedacinho de pele do dedo indicador por exemplo.Tudo devido a perfeição que Nina quer manter na sua vida.Com a edição e a trilha sonora de Mansell,conseguiram baixar minha pressão.
Além de por em certos momentos da trilha efeitos sonoros.Note por exemplo,o barulho do bater de asas em certas cenas.


As atuações do filme estão boas.Mas é claro que o maior destaque é Natalie Portman que parece ter sofrido pra fazer Nina.Ela passa do inicio do filme,como a menina frágil que tem ursinhos de pelúcia no quarto(o Cisne Branco),para o Cisne Negro,com sua sedução,seu encantamento.Isso num piscar de olhos.Um grande desafio pra qualquer ator.Ainda há destaque pra Vincent Cassel(sua cena de sedução é bastante poderosa).Mas quem carrega o filme(no bom sentido),é a atriz israelense.

É interessante que assim como Aronofsky fez em O Lutador,há uma certa semelhança com a vida real de Natalie Portman,com seu personagem em Cisne Negro.No sentido de,ao invés de ela ficar somente nos seus personagens frageis de princesa(sim estou falando de Padme de Star Wars),ela fazer seus grandes papeis(a Matilda de Leon,e agora Nina).Achar o seu Cisne Negro.

Em Cisne Negro,há muita simbologia.O que representa a mãe,as tatuagens nas costas de Lily(Mila Kunis),o ecstasy,a transformação em Cisne.





Cisne Negro no fim é uma satisfatória experiencia cinematográfica.Aonde Darren Aronofsky confirma mais uma vez seu talento como diretor(algo que ele já fez em Pi,Requiem Para um Sonho,Fonte da Vida,O Lutador).Fazendo um filme que além de,não chamar o espectador de burro(deixando a ele a sua escolha a resposta pro filme),faz um excelente filme.Com muitas cenas antológicas(a transformação em Cisne no balé,a cena de sexo,a cena da pele,o sonho inicial),Cisne Negro já nasceu clássico.

Que ao contrário do que muita gente acha,não é de terror,não é um suspense.Apesar dos seus momentos de delirios e alucinações,Cisne Negro é um filme sobre reflexos,perfeição e balé.Uma viagem ao psicológico de alguém que não é tão sã assim.No caso de Cisne Negro,só há uam frase pra definir o que eu achei do filme:"Eu o senti!".Como diria Nina.
Nota:10